quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

Concurso Nacional de Leitura - Prova Municipal

 Esclarecimento CNL:

realização da Prova Municipal sofreu alteração: transita para o dia 8 de março.
Assim, os alunos apurados têm mais tempo para a leitura das obras selecionadas! 😉👍

    2.º ciclo – Henrique Pires, 6.ºC e Joana Brilhante, 6.ºG.

3.º ciclo –Maria Manuel Alexandre, 7.ºB, e Inês Gouveia, 7.ºD


Secundário Profissional – Amélé Ali, 12.º7 e Nahary Santos, 12.º7



Podem aceder para mais esclarecimentos a: 

http://www.pnl2027.gov.pt/np4/CNL2021.html


terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Os Milagres de Miranda, de Siobhán Parkinson

   

Uma coleção que surpreende pela história, que atrai pela imagem, que encanta pela mensagem, que se distingue como estrelas brilhantes.

Se usares a tua imaginação, os sonhos podem tornar-se realidade...
Miranda Maguire adora palavras e imaginar histórias. Quando a sua irmã adoece, Miranda começa a escrever uma história e pequenos milagres parecem acontecer: a sua avó deixa de fumar, o terrível Darren Hoey passa a ser simpático para ela...
Será Miranda capaz de escrever o milagre que vai salvar a sua irmã?

Um livro encantador, de uma autora multipremiada, que nos revela a importância da esperança e o poder da imaginação!

Plano Nacional de Leitura Literatura – dos 9-11 anos

Os Milagres de Miranda - algumas páginas do livro para aguçar o apetite.

“O País das Laranjas” | Rosário Alçada Araújo

Em 1949, ainda com o fantasma  bem vivo da Segunda Guerra Mundial, chegaram a Portugal 5500 crianças austríacas, ao abrigo de um programa da Cáritas, facto histórico que inspirou Rosário Alçada Araújo a escrever o romance juvenil “O País das Laranjas” (Asa, 2019).

Conhecemos Martha, uma menina de 10 anos, desde o momento que chega a Portugal e segue viagem para a Covilhã, onde é recebida carinhosamente pelos pais portugueses. Depois de uma noite bem dormida, o primeiro dia é marcado por grandes descobertas: a biblioteca, a primeira refeição e a primeira palavra que memoriza: laranja. “Eu nunca na vida tinha visto laranjas. E que cor pode ter uma laranja! Brilhavam tanto que eu pensei estarem prontas a ser comidas. Peguei nela e dei-lhe uma trinca, com casca e tudo. Os meus pais começaram a rir-se e a minha mãe apressou-se a tirá-la da minha boca. Ao princípio fiquei aflita, quase comecei a chorar. Mas o olhar divertido do meu pai fez.me sentir mais leve. A minha mãe chamou a criada, que me ensinou a descascar a laranja com garfo e faca. Quando levei o primeiro gomo à boca, não queria acreditar que se pudesse comer e beber um sabor tão delicioso. “Fiz bem em escolher Portugal” pensei.” Não sei como são os outros, mas neste país há laranjas”.

Martha, juntamente com os seus novos primos e amigos, vive aventuras inesquecíveis, aprende costumes e hábitos do povo português: as conversas com a Rosinha, a costureira que semanalmente vai a casa dos pais para fazer a roupa para toda a família; os sabores de uma gastronomia diferente da sua terra natal; os rebuçados caseiros, que eram uma delícia; os jogos de cartas ou a ida ao Hospital da Bonecas. Tudo prova de que “a infância é para ser levada muito a sério”, e que Martha guardará na caixa de recordações de Portugal, tão essenciais que foram para ultrapassar as vivências atrozes de uma guerra e a separação da sua família biológica.

A história de Martha, tão bem narrada por Rosário Alçada Araújo, proporciona-nos recordar grandes livros da literatura infantil e juvenil, que vão de Virgínia de Castro e Almeida à Condessa de Ségur, Maria Lamas, Sidónio Muralha ou Michael Ende, entre muitos outros – o título de cada capítulo corresponde a um título da literatura infantil e juvenil, como esclarece a autora logo nas primeiras páginas do livro, excepção feita ao epílogo, inspirado num título do romance de Odette de Saint- Maurice (provavelmente uma homenagem a uma escritora portuguesa que se notabilizou sobretudo na literatura infantil e juvenil).

A ida à biblioteca era, para Martha, um momento memorável: “Quando abria a porta no silêncio e na escuridão, parecia sentir que as histórias respiravam e era-me mais fácil decidir o que ia ler e ficar ali num mundo só meu”. A descoberta de novos livros, bom como de autores como Eça de Queirós e Camilo Castelo Branco, possibilitaram-lhe descobrir que em Portugal existiam, então, livros proibidos.

O País das Laranjas, Asa, Deus Me Livro, Crítica, Rosário Alçada Araújo“O País das Laranjas” é um livro de prosa simples e encantador. Fala-nos de amor, carinho e ternura, mas também das marcas que uma guerra deixa e nas difíceis escolhas que são necessárias fazer na vida. Escolhas essas que marcam cada um para sempre. A história da pequena Martha deixa, a todos nós, uma questão pertinente: afinal, quem somos?

Rosário Alçada Araújo nasceu em Lisboa. Licenciou-se em Direito na Universidade de Lisboa, mas cedo deixou a vida de jurista, rumo a Londres, onde se aproximou do mundo da literatura infantil e juvenil – quer através de um curso de escrita criativa para crianças, quer pelas suas próprias pesquisas em bibliotecas e livrarias. Algumas das suas obras estão recomendadas pelo Plano Nacional de Leitura2027.


https://deusmelivro.com/mil-folhas/o-pais-das-laranjas-rosario-alcada-araujo-6-5-2020/#.X_SsrNj7TIU

MIL FOLHASPor  · Em 06/05/2020

quarta-feira, 23 de setembro de 2020

"A Nau Catrineta", Almeida Garrett

Animação com realização de Artur Correia baseada na famosa canção popular "A Nau Catrineta"

Acredita-se que "A Nau Catrineta" data do século XVI (1565). Esta canção muito popular tornou-se um ícone da aventura Portuguesa em mar aberto.
O nosso romancista e poeta Almeida Garret recolheu o poema, de autor desconhecido, e pensou que este contava a história da nau que, em 1565, trouxe Albuquerque Coelho de Olinda (Brasil) para Lisboa. "A Nau Catrineta" inscreve-se nas tragédias marítimas da história portuguesa durante os Descobrimentos, para além de mostrar as crenças cristãs profundas dos nossos marinheiros.





sábado, 18 de julho de 2020

Conta-me uma história!... «O Coelhinho Branco»

Mais uma história contada pela Carina, desta vez recorrendo a marionetes. Para além do reconto, ainda apresenta jogos de exploração desta história.
Uma inspiração para outros contadores de histórias e outras narrativas.





Conta-me uma história!... «De que COR é um BEIJINHO?»


A Carina é uma aluna que não deixa de nos surpreender! Já depois das aulas terminarem, enviou-me algumas histórias contadas e encenadas por ela! Aqui fica uma delas, com o nosso agradecimento pela partilha.
Parabéns pelo teu espírito inventivo, originalidade, empenho, naturalidade e confiança. Continua sempre assim!
Vamos então ouvir «De que COR é um BEIJINHO?»

domingo, 29 de março de 2020

Visite o Museu Virtual da RTP

#Fique Em Casa - Visite o Museu Virtual da RTP em  https://museu.rtp.pt/.

Conheça a História da rádio e da televisão em Portugal através do espólio guardado pela RTP. museu.rtp.pt

Museu Virtual da RTP

A RTP continua a acompanhar a par e passo a evolução do surto do Coronavírus e a tomar todas as medidas consideradas indispensáveis para combater a transmissão da epidemia, garantindo, simultaneamente, as suas obrigações de serviço público.

Neste contexto, encerrada temporariamente a Coleção Visitável Museológica, no edifício sede em Lisboa, realçamos a importância de todos nos mantermos em casa, e endereçamos convite para vistarem e  usufruirem das potencialidades oferecidas pelo nosso Museu Virtual, que permite entre tantas outras actividades a visita virtual ao espaço físico da nossa Coleção.

O Museu Virtual da RTP,  inaugurado em 9 de Março de 2009, tem como objetivo dar a conhecer ao público em geral uma parte importante do vasto acervo museológico e documental de rádio e de televisão que a RTP possui (objetos, imagens, vídeos e documentos), que de outro modo lhe seria inacessível, proporcionando-lhe uma experiência interativa cativante ao mundo da Rádio e Televisão, permitindo ultrapassar as barreiras do espaço físico e chegar a um público muito mais vasto, constituindo neste contexto um importante contributo para aproximar a RTP dos cidadãos e para a sua afirmação como entidade de referência na memória do nosso país.

Atualmente disponibiliza o seguinte:

1. Área de visualização de visitas virtuais à Coleção Visitável de Rádio e Televisão e ao 1º carro de exteriores da RTP.
2. Área de Realidade Aumentada: disponibilização de acesso a quatro experiências em realidade aumentada: Carro de Exteriores; Fernando Pessa; Memórias da Televisão; Memórias da Rádio.
3. Galeria com cerca de 1000 peças museológicas de rádio e de televisão, e com uma seleção de pequenos trechos de alguns conteúdos televisivos e radiofónicos que fizeram história em Portugal - (aproximadamente 10 horas de conteúdos de rádio e 6 horas de conteúdos de televisão).
4. Área de exposições temporárias.
5. Galeria multimédia.
6. Acesso a informação específica sobre os polos museológicos da Madeira e dos Açores.
7. Estúdio Virtual de Televisão (onde o utilizador, que possua uma Webcam, poderá gravar o seu próprio programa).
8. Galeria histórica.
9. Jogos didáticos.
10. Arquivo Documental, com acesso às bases de dados do Museu, da Biblioteca, do Arquivo de Partituras e do Arquivo Histórico de Documentação Escrita, bem como aos textos digitalizados de Programas e de Teatro Radiofónico da E.N. e da RDP.